Site sobre Finanças Pessoais e Educação Financeira

  • +55 63 9233.3793 (Whatsapp)
  • contato@sabendoeconomizar.com.br

    Novidades

    %PM, %24 %923 %2016 %18:%Out

    QUEDA DOS JUROS. E AGORA?

    QUEDA DOS JUROS. E AGORA?

    Na última matéria que postei aqui, comentei que o mercado costuma se antecipar aos acontecimentos, precificando o que está por vir.

    queda dos juros

    Caso você venha comprar o quadro acima com o anterior (clique aqui) verá que tivemos mais uma redução nas taxas do DI Futuro. Com a que da Taxa Selic em 0,25%, passando a mesma ser de 15%a.a., o Banco Central soltou o seu último Boletim do Relatório Focus dia 21/10, apresentando os seguintes indicadores:

    queda dos juros1

    Como poderemos ver acima, está prevista ainda para este ano uma redução em 0,5%p.p. da Taxa Selic, fechando este ano de 2016 em 13,50% e no ano de 2017 em 11%. Caso as condições Macro Econômica continuem favoráveis, acredito em uma redução ainda maior destas taxas.

    Mas até agora, você não deve estar entendendo nada e se perguntando: O que eu tenho a ver com tudo isso? Estou aqui para saber sobre Educação Financeira e dicas de investimentos de Renda Fixa, e não sobre cenários Macroeconômicos. Isso não me interessa.

    Então eu digo: Está completamente enganado, nobre leitor (a)! Ao acompanhar o que está acontecendo, poderá escolher e aproveitar as melhores oportunidades de investimentos. Olhem alguns dados interessantes que podemos retirar deste relatório:
    • IPCA (%) 6,89 para 2016 e 5,00 para 2017;
    • IGP-M (%)7,65 para 2016 e 5,33 para 2017 ;
    • Taxa de câmbio - fim de período (R$/US$) 3,20 para 2016 e 3,40 para 2017;
    • Meta Taxa Selic - fim de período (%a.a.) 13,50 para 2016 e 11,00 para 2017;
    • PIB (% do crescimento) -3,22 para 2016 e 1,23 para 2017;
    Podemos observar que, mesmo não tendo crescimento no PIB (a previsão é de -3,22%), a tendência das taxas de juros e da inflação, são de queda.
    Temos aqui o que eu chamo de “Janela de Oportunidades”, principalmente para quem, igual a mim, gosta de estar investindo no Tesouro Direto, e devemos aproveitar algumas destas oportunidades existentes. Falo no Tesouro Direto pois podemos começar com apenas R$ 30,00, e é o mais democrático tipo de investimento existente no mercado, independente do valor a ser aplicado.

    Então, caso já tenha conhecimento do mercado, analise os relatórios que são emitidos pelo Banco Central (Boletim Focus) e as Taxas Futuras, para aproveitar melhor estas possibilidades existentes.

    O que podemos concluir e que o Tesouro Selic, para quem não deseja correr riscos e deseja liquidez diária, é uma excelente oportunidade de investimento. Olhe a tabela que mostrei acima e veja, a Selic deverá fechar este ano em 13,5% e o IPCA em 6,89%, e a grosso modo, verá que seu dinheiro rendeu bem acima da inflação.

    Estamos acostumados e ter uma alta taxa de juros, somos o 45º pais com a maior taxa de juros do mundo, (vide quadro abaixo), mas não se esqueça que temos que olhar nosso ganho real, e quanto maior a taxa de juros, menor nosso ganho real.

    queda dos juros3

    Analisando toda a informação que temos, completamente gratuita e disponível para todos, no Tesouro Direto temos dois bons tipos de investimentos para quem desejar se arriscar mais um pouco: Prefixados e IPCA+. Estes títulos estão em alta porque com a previsão da queda da inflação e da taxa Selic, estes títulos tendem a sofrer uma valorização considerável. Sempre se lembrem de que, quanto mais longa for a data de vencimento do seu título, mais oscilação ela terá, podendo então potencializar seus ganhos.

    Lembre-se de que os dados aqui apresentados não são suficientes para que você invista o seu capital. Estou apenas demonstrando como poderá potencializar seu capital, cabendo a você investidor a decisão final.

    Bons Investimentos!

    Publicado em Financeiras

    Hoje, o Marketing é uma importante ferramenta de divulgação, e muitas vezes nos envolvem sem que percebamos. Pode ser para realizar uma divulgação como pode também para ignorá-la, e é isso que fazem com uma das melhores aplicações existentes para o pequeno poupador, o Tesouro Direto.

    O que pretendo na matéria agora e fazer o seguinte: Mostrar o que os Bancos, Seguradoras, Fundos de Pensão, etc, fazem com o SEU (o meu, que posso evitar, não mais) dinheiro. Saiba que quando investe em planos de previdência ou participa de fundos de pensão, está pagando caro (através das taxas) para que estas instituições façam investimentos com o seu dinheiro até o dia da sua aposentadoria. Você está transferindo a outro a sua responsabilidade. O pagamento é feito através de taxas administrativas e taxas de carregamento (que costumam ser muito elevadas). Saiba que essas instituições não fazem nenhum milagre com o seu dinheiro. Elas não fazem nada que não poderia ser feito por você mesmo com um custo muito menor. A maioria destas instituições investe seu dinheiro em títulos públicos, e irei mostrar isso, não pare a leitura.

    Qualquer pessoa pode aprender a investir em títulos públicos. Além de ter um custo menor, você não fica obrigado a seguir as regras dos fundos e planos de previdência, isso, sem contar que não corre o risco de sofrer prejuízos por má administração dos gestores fundos de pensão, pois muitas vezes vemos os absurdos que alguns administradores fazem com estes fundos. Em algumas vezes vira caso de Polícia.
    Sendo assim, nada melhor que você assuma a responsabilidade pelo seu investimento, seu dinheiro e seu futuro, garantindo assim a sua aposentadoria.
    LIvro TDTodas as informações que queremos estão disponíveis na internet, basta que saibamos aonde elas estão. Faça o download do Relatório Mensal da Dívida Pública Federal, é um documento que é publicado todos os meses no site do Tesouro Nacional. Ele apresenta informações sobre emissões, resgates, estoque, perfil de vencimentos e custo médio, dentre outras, para a Dívida Pública Federal. Na mesma página você encontrará as Tabelas do Excel para baixar.

    Normalmente eles publicam os novos relatórios na última semana do mês.

     

     

    Para nossa análise, iremos utilizar o relatório fornecido em Dezembro de 2015 como exemplo.No item 2.4, na página 14 temos o subtítulo “Detentores” onde podemos observar quem são os maiores detentores de títulos públicos. Nessa página você encontrará a tabela abaixo:

    Detentores

    Os maiores detentores de títulos públicos brasileiros foram divididos em categorias. Vamos falar de cada categoria.
    Instituições Financeiras: Estão em primeiro lugar e possuem 25,01% de todos os títulos públicos emitidos pelo Tesouro. São os grandes bancos comerciais, bancos estatais, bancos de investimento e corretoras. O dinheiro que eles investem é o dinheiro dos correntistas do banco. É por isso que o gerente do seu banco jamais vai perder o tempo dele explicando como funcionam os títulos públicos. Nossa ignorância sobre os títulos é uma grande fonte de lucros para os bancos.

    Previdência: Essa categoria fica em segundo lugar. Possui 21,37% de todos os títulos públicos emitidos. Aqui temos todos os planos de previdência aberta, previdência fechada e RPPS (Regime de Previdência dos Servidores Públicos). O dinheiro que você investe nestes planos de aposentadoria são utilizados para comprar títulos públicos (algo simples que você mesmo poderia fazer se soubesse investir seu próprio dinheiro).

    Fundos de Investimento: Ficam em terceiro lugar com 19,55% dos títulos. São os fundos de investimento, os mesmos que os bancos oferecem para os clientes cobrando taxas administrativas elevadas. Quando você investe em Fundos DI, Fundos de Renda Fixa e Fundos de Inflação, o gestor do fundo usa seu dinheiro para comprar títulos públicos.

    Não-residentes: Estão em quarto lugar com 18,79% dos títulos. Essa categoria representa todos os investidores estrangeiros pessoa física e jurídica. Isso inclui os fundos de investimento internacionais. É curioso observar que existem mais estrangeiros comprando títulos públicos do que brasileiros adquirindo esses títulos diretamente.

    Governo: O governo é responsável por administrar dinheiro dos trabalhadores e dos contribuintes através de alguns fundos. Um exemplo é o FGTS. O dinheiro do seu FGTS não fica parado. Ele é investido e títulos públicos (e em outros investimentos), rende juros elevados e você só recebe 3% ao ano + TR. Nessa categoria também está o dinheiro do fundo soberano, FAT, fundos garantidores, etc. Todos juntos possuem 5,77% dos títulos públicos.

    Seguradoras: Quando você faz o seguro do seu carro, da sua casa ou quando paga um plano de saúde, seu dinheiro não fica parado esperando acontecer alguma coisa ruim na sua vida. As seguradoras investem seu dinheiro em títulos públicos e lucram com os juros sobre juros. As seguradoras possuem 4,58% de todos os títulos públicos.

    Outros: Aqui estão as sociedades de capitalização que são as instituições que emitem os títulos de capitalização que os gerentes de banco tentam vender para os clientes mais leigos. Também está nesta categoria todas pessoas físicas que compram títulos públicos através do Tesouro Direto. A categoria “Outros” possui 4,94% dos títulos públicos. Sendo assim, todos lucra, com a nossa ignorância!

    A quantidade de títulos vendidos pelo Tesouro Direto para as pessoas físicas é tão pequena, tão insignificante que não existe uma categoria separada para esse tipo de investidor na tabela do relatório. As pessoas ficam dentro da categoria “Outros”.

    Conseguiu perceber que todo mundo pega o seu dinheiro e investe em títulos públicos? Bancos, fundos de investimento, seguradoras, fundos de pensão, títulos de capitalização e até o FGTS investe seu dinheiro em títulos públicos. Quanto menos você souber investir seu próprio dinheiro, mais você estará trabalhando para garantir os elevados lucros de diversas instituições financeiras. Você é o único interessado e beneficiado quando resolve se educar financeiramente.

    Em dezembro de 2015 o Tesouro vendeu mais de R$ 50 bilhões em títulos. As pessoas físicas só compraram R$ 1.5 bilhões. Parece pouco, mas a situação já foi pior. Somente agora as pessoas começaram a descobrir os títulos públicos. Em 2015 as vendas de títulos através do Tesouro Direto saltam 190% em 2015.

    Entenda agora quais títulos estas instituições adquirem para investir nosso dinheiro:

    Instituições

    Índices de Preço: São títulos públicos que rendem uma taxa fixa + um índice de inflação como o IPCA. É o caso do título NTN-B que hoje é chamado de Tesouro IPCA+ com juros semestrais.
    Prefixados: Estamos falando do título LTN que para as pessoas físicas é vendido com o nome de Tesouro Prefixado (LTN). É o título que paga uma taxa de juros fixa.
    Taxa Flutuante: É o título LFT que podemos comprar no Tesouro Direto com o nome de Tesouro Selic (LFT). Paga uma taxa equivalente a taxa Selic diária. A rentabilidade desse título acompanha os aumentos ou reduções da Taxa Selic.

    Observe no gráfico que os planos e fundos de previdência investem 58,6% de todo dinheiro que conseguem captar das pessoas em títulos NTN-B ou Tesouro IPCA+. É o único título que garante a correção do dinheiro pela inflação (IPCA) somado a uma taxa de juros fixa. Isso garante uma rentabilidade real (acima da inflação). A principal preocupação de quem acumula recursos para a aposentadoria é garantir o poder de compra do dinheiro no futuro. Essa é a principal característica desse título. Apenas 18,6% do dinheiro é investido em títulos prefixados (como o Tesouro Prefixado) e 22,8% ficam títulos com taxa flutuante como o LFT ou Tesouro IPCA.

    Quais títulos as pessoas estão comprando?
    Também é possível descobrir quais são os títulos públicos que as pessoas estão comprando mais. A tabela 1.4 aparece na página 7 do relatório que estamos usando como exemplo:

    Compra dos Títulos

    Podemos observar na coluna “Emissões” que em dezembro de 2015 o título mais comprado pelas pessoas físicas foi o Tesouro IPCA representando 40,24% das compras. Em segundo lugar temos o Tesouro Selic com 26,94% e depois temos o Tesouro Prefixado com 20,11%. O Tesouro IGPM não é mais comercializado (já faz tempo). Na coluna “Estoque” podemos observar quantos títulos estão em poder das pessoas físicas.

    Mais da metade (51,3%) de todo dinheiro que as pessoas físicas já investiram em títulos públicos está em títulos indexados à inflação como o Tesouro IPCA+ (NTN-B e NTN-B Principal). O Tesouro Selic representa 26,9%. Os prefixados como o Tesouro Prefixado (LTN e NTN-F) representam 21,7%.

    Antes que você tente utilizar essa distribuição para criar sua carteira de investimentos é importante alertar que nem sempre essa carteira acima será a melhor para todo tipo de investidor, e cito meu caso, que não é a minha necessidade. É importante conhecer as características de cada título público e investir com base nos seus objetivos para o seu dinheiro, ou seja, antes de investir, traçe seus objetivos!

    Faça a sua carteira, conheça a as suas necessidades e começe a ganhar dinheiro!

    Publicado em Financeiras

    Também estamos no Facebook

    Fale conosco

    Email 
    Assunto 
    Dúvida